ARTIGO - O Reino dos Céus é como um tesouro escondido

As parábolas de Jesus ajudam o ouvinte e o leitor a pensar de um modo diferente, olhar a realidade de um jeito novo, ultrapassando limites e despertando uma atitude mais comprometera com a vida e os acontecimentos bons e ruins. Tudo isso em vista do Reino de Deus.


Hoje (26/07) o texto evangélico nos apresenta três breves parábolas: o tesouro escondido, a pérola preciosa e a rede lançada ao mar. As duas primeiras explicam, não a aparência do Reino, mas sua natureza oculta, e a atração irresistível que exerce naqueles que querem descobri-lo. O destaque é colocado sobre a reação de quem encontra o tesouro ou naquele que, ansiosamente, estava procurando a pérola. Jesus quer deixar claro que o reino de Deus não está facilmente ao alcance de todos, mas todos podem encontrá-lo, é preciso buscar.


Quando alguém sabe onde está o tesouro, ele estará pronto a vender tudo para obtê-lo. Ele vai se desfazer de tudo que tem para possuí-lo. A renúncia radical é necessária – é o preço que deve ser pago para atingir o Reino. Quem não tem esta capacidade ou não quer arriscar, não está em condições de descobrir o Reino de Deus, porque precisa se libertar de muitas coisas e investir naquilo que é necessário para encontrar a felicidade plena. A exigência que Jesus apresenta aos seus discípulos ainda é válida hoje. A renúncia provoca alegria no homem porque ele sabe que está adquirindo algo muito valioso. Quando se descobre o bem supremo, tudo se torna supérfluo diante dele. O mesmo se dá diante da pérola preciosa. Vale a pena investir tudo para adquiri-la. A descoberta do Reino muda a vida de quem o descobre: o sinal é a alegria e a paz porque tem certeza que encontrou o essencial para viver, a verdadeira felicidade.


Pois bem, se o Reino dá origem a esse tipo de reação em quem o descobre e se Deus pede este tipo de renúncia a quem o encontra, o que está acontecendo conosco? Por que continuamos a nos apegar às coisas que temos, grandes e pequenas? Por que temos tanto medo de perder o pouco que temos? Por que Deus e o seu reino não conseguem despertar em nós a reação que é normal quando se descobre um tesouro ou uma pérola de grande valor? Tudo deve ser avaliado com a sabedoria que é dom de Deus.


A fé, porém, não é fruto do esforço do homem, da sua razão, mas é um dom de Deus. Tem a sua origem na iniciativa de Deus, que nos desvenda a sua intimidade e nos convida a participar da vida divina. A fé não se limita a proporcionar alguma informação sobre a identidade de Cristo, mas supõe uma relação pessoal com Ele, a adesão de toda a pessoa, com a sua inteligência, vontade e sentimentos, à manifestação que Deus faz de Si mesmo. Deste modo, a pergunta de Jesus: “E vós, quem dizeis que Eu sou?”, no fundo está impelindo os discípulos a tomarem uma decisão pessoal em relação a Ele. Fé e seguimento de Cristo estão intimamente relacionados. Por isso precisamos estar atentos, abertos à manifestação de Deus. Tais decisões exigem rapidez e prontidão. São situações que não se repetem todos os dias e por isso não podemos deixá-las passar.

Dom João Carlos Seneme, css

Bispo de Toledo




Folha de Palotina e região

Empresa Jornalística Folha de Palotina Ltda. - CNPJ 81.680.688/0001-08

Rua Vereador Antonio Pozzan, nº 573 - Centro - Palotina/Paraná - CEP: 85.950-000

(44) 3649-2690 - Jornal impresso semanário

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram